Informação

Informação
São Miguel/RN

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Professor é condenado a 10 anos de prisão por matar namorada no Ceará

andrei_erik_pimentel

O professor de música Andrei Erik Landim foi condenado na noite desta quarta-feira (5) a 10 anos de prisão. Ele foi julgado por matar a companheira Ana Cristina Vieira, enquanto ela dormia, há três anos.
No depoimento, Landim disse que o casal teria discutido na noite do assassinato, porque a vítima teria saído sem a companhia do namorado.
Os laudos da perícia apontam que Cristina foi morta a tiros na cama. O professor alegou ter distúrbios psicológicos, mas, segundo a própria defesa, o laudo psiquiátrico aponta que ele estava consciente no momento do crime. O professor é foi julgado por homicídio duplamente qualificado – por motivo fútil e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.
O crime
A vítima Ana Cristina Vieira do Amarante foi encontrada morta com três tiros em casa, no Bairro Jardim das Oliveiras, no dia 5 de agosto de 2012. Na ocasião, a titular da Delegacia de Defesa da Mulher, Rena Gomes, considerava o namorado da vítima suspeito do crime. “Vamos pedir a transferência do caso, já que a motivação do crime foi passional e pedir ainda hoje a prisão preventiva do namorado dela”, afirmou a delegada no local do crime.
A mulher trabalhava em um imobiliária e morava há seis meses com o namorado que era professor. Segundo a irmã da vítima, Socorro Amarante, vizinhos escutaram disparos por volta das 1h30 do domingo e chamaram os familiares que moram ao lado. “Primeiro, eu arrombei a janela. Chamei por ela e não tive resposta. Foi preciso pedir ajuda para outras pessoas para arrombar a casa”, disse a irmã ao G1, no dia seguinte ao crime.
Ainda de acordo com a irmã de Ana Cristina, os vizinhos viram o namorado dela sair depois dos disparos e acharam a atitude estranha. “Primeiro, ele saiu só de cueca, voltou para casa e saiu de novo vestido”, afirmou Socorro. Os dois namoravam há mais de um ano. Segundo a família, o namorado era ciumento e controlador. “Ele tinha um comportamento doentio, um ciúme. Ele ficava controlando todos os horários, até os segundos dela”.
G1 CE
VIA: /uirauna.net/